Sustentabilidade (Pessoal)

Um bom eletricista não é uma questão de gênero

Não mesmo. Mas, infelizmente, tem muita gente que ainda acha que uma mulher não pode ser tão boa eletricista quanto um homem. “Não está tão bem preparada”, dizem. “Pode se machucar, coitada”. “Ela não sabe o que está fazendo”.

As desculpas são muitas e carregam em si pré-conceitos que reforçam a incapacidade das mulheres em exercer profissões historicamente masculinas. Mesmo elas se capacitando e fazendo, inclusive, os mesmos cursos e treinamentos que os homens fazem.

O projeto ‘Eletricidade e Empreendedorismo com olhar para gênero’, da Schneider Electric, busca justamente contribuir para a quebra de paradgimas que, há séculos, deixam as mulheres fora de muitas profissões, especialmente aquelas relacionadas à energia e eletricidade.

Realizado no ano passado na Baixada Fluminense, nas cidades de Nova Iguaçu e Mesquita, o projeto capacitou 85 pessoas em Eletricidade Básica. Metade eram mulheres. Você pode estar se perguntando agora: por quê não 100% mulheres? Porque não é possível – e, mais do que isso, não é efetivo – discutir igualdade de gênero sem envolver os homens. A cabeça deles também precisa mudar.

Do total de alunos, 42 foram selecionados para participar da segunda fase do projeto: a capacitação em empreendedorismo, ministrada pela líder do projeto na Schneider, Fabiana Galvão. Os alunos tiveram aulas sobre fluxo de caixa, composição de preço, estratégias de marketing e outros temas que os ajudarão a exercer a profissão de eletricista.

Daniela e seu marido. Ela é uma das alunas do projeto ‘Eletricidade e Empreendedorismo com olhar para gênero’, realizado na Baixada Fluminense em 2016.

Além disso, o módulo de empreendedorismo resultou em 10 Planos de Negócios, elaborados por 10 duplas: sempre um homem e uma mulher. Eles desenharam a estratégia que vão usar para atuar como eletricistas em suas comunidades. Agora, essas duplas vão passar por uma mentoria com executivos da Schneider, que irão ajudá-los a tirar seus planos do papel. Esses executivos, por sua vez, serão capacitados para adaptar sua linguagem à realidade dos moradores de comunidades: simples, mas longe de ser simplista.

Ao final das capacitações, os empreendedores ganharam ferramentas, um Livro Caixa e um Livro Conta-corrente, que os ajudará, desde já, a garantir a sustentabilidade de seus novos negócios.  Também fizemos um acordo com um revendedor de materiais elétricos da Baixada para que a turma tenha descontos especiais na compra de produtos Schneider.

Essa combinação entre capacitação profissionalizante e empreendedorismo com olhar para gênero traz uma importante mensagem: é necessário que homens e mulheres discutam e se conscientizem sobre igualdade de gênero no mercado de trabalho. Não se trata de uma competição entre quem é melhor. Trata-se da busca por uma vida com oportunidades e condições iguais para todos.

Deixe uma resposta

  • (não será publicado)